"Não haviamos marcado a hora, não haviamos marcado o lugar. E na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, os nossos tempos e os nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro."

(Rubem Alves)


sábado, 23 de janeiro de 2010

Tormenta Adulta



Em aliança com a natureza;
O menino brinca criando,
Em seu quarto fica sonhando,
É feliz não acorda tristeza.

Mãe de que o criaste?
Seus sonhos são efeitos celestes,
A paixão da essência que lhe deste,
Criança guerreira de um futuro agreste.

Ao mundo, ingénuo desabrochou;
Uma realidade em criação natural,
Vê-de menino, nos teus olhos o céu chorou.

Que fantasia transcendental!!!
Espelho presente, a minha face mudou,
Espera criança pelo teu vendaval.

Diogo Correia

1 comentário:

MJC disse...

Pois é Amigo Diogo não tenho dúvidas nenhumas.Tens mesmo "uma voz" pessoalíssima.
Gosto muito do teu soneto, assim como tenho gostado de outras coisas tuas (poucas) que conheço.
Parabéns e um grande abraço do Croca