O oceano é um Upanishad, a terra um Sutra, o sol um Corão, o vento um Evangelho. E tu uma deusa-deus que se rebola a nascer e morrer e a rir e chorar pelas colinas do tempo e do espaço até que regresses ao Infinito de onde tudo vem e de onde nada jamais saiu a não ser na mente estúpida que acredita piamente nas histórias que a si mesma conta para se distrair do Extraordinário que é. (Paulo Borges)


domingo, 31 de janeiro de 2010

Estudo Geral




“assimilo o suor.

a chama é voz impotente,
mas crescem rios no ventre da lágrima condensada
nas paredes do poema.

a voz magra
penetra nas gengivas inflamadas
em cada maxila de suor…

… e nutre o ranger da transpiração.”

Raul Costa

1 comentário:

Paula Soveral disse...

genial composição!!!! amei!