O oceano é um Upanishad, a terra um Sutra, o sol um Corão, o vento um Evangelho. E tu uma deusa-deus que se rebola a nascer e morrer e a rir e chorar pelas colinas do tempo e do espaço até que regresses ao Infinito de onde tudo vem e de onde nada jamais saiu a não ser na mente estúpida que acredita piamente nas histórias que a si mesma conta para se distrair do Extraordinário que é. (Paulo Borges)


terça-feira, 8 de maio de 2018

O DIÁRIO DA MATILDE - O MEU PRIMEIRO ANO DE ESCOLA

A praça da revolução é um imenso terreiro rodeado de edifícios governamentais e pela sede do Partido Comunista no seu ponto mais alto. Ao centro e bem ao estilo da arte imponente da consagração dos poderes políticos, um monumento a uma revolução anterior àquela que agora as multidões festejam e apoiam, ao sabor dos longos discursos do comandante supremo, o camarada Fidel que permanece fiel, hasta la vitória, ao socialismo que o Che, o ícone de la revolucion o muerte, lá está, numa das fachadas, em contornos de ferro a preto, para lembrar aos cubanos o muito que devem à imposta igualdade que, só na aparência das pretensões, gerou uma sociedade de iguais. 


Mas a cidade é bonita, mesmo tendo em conta as chagas que a economia estatizada lhe provocou, a luz que envolve o casario espreitando o mar, deixa-nos ver o rosto de uma urbe cheia de personalidade, ainda que nos últimos decénios possa ter perdido a alma. 

É lamentável o estado de degradação a que se deixaram chegar muitos edifícios, literalmente a cair, em alguns casos, esventrados e sujos naqueles em que podemos, eufemisticamente, falar de envilecimento. 
É incrível como há pessoas a morar em tais buracos, sem janelas e com as paredes das varandas caídas. Mas os inquilinos lá estão, olhando o oceano, sempre olhando o oceano e a roupa estendida assim o indica, em andares feitos quintais pelas ruínas que só tem paralelo no caos que são os emaranhados de fios que instalam uma electricidade de lâmpadas tristonhas. 


Há gente que na rua aborda o estrangeiro de mão estendida, por um dólar, curiosamente, uma das moedas correntes no país. 
E também há quem pretenda vender charutos que, sendo uma forma disfarçada de pedir, não deixa igualmente de ser expressão de vigarices várias. 

Contudo, nas ruas, não se avista a população raquítica e estropiada das metrópoles dos países pobres e, seja lá como for, todos andam vestidos e calçados. 



Na cidade velha sente-se ainda a expressão da colonização espanhola, com os palacetes virados para o centro de um jardim interior e as varandas de madeira trabalhada que aqui não foram fechadas por vidraças. 

Há um grupo carnavalesco cubano animando as ruas e as praças têm estátuas dos homens que lutaram pela independência. 

A Catedral, do século XVII, tem o calcário corroído pelo ar que sopra do mar e por dentro ostenta a modéstia da devoção em país oficialmente ateu. 



Regresso ao hotel para o jantar e o necessário repouso. 



Acabei de ler o trabalho de Helena Matos sobre Salazar. 


Dado o erro do vendedor do Círculo de Leitores, li primeiro o segundo volume, mas não faz mal. 


Não sendo o trabalho de uma historiadora, antes algo na esteira de uma análise de conteúdo da imprensa da época e, a partir daí, o registo da imagem que o próprio quis dar de si, para o que teve a cobertura e o empenho activo de alguns dos seus acólitos. 

O resultado é uma leitura incontornável para quem queira compreender o salazarismo e as suas especificidades, enquanto regime totalitário, no contexto dos congéneres nazismo alemão e fascismo italiano. 
Fica clara a criação do mito salazarista de competência e clarividência, tal como da vontade e disponibilidade do homem para exercer o poder de forma absoluta. 
E lá está bem nítida a ideologia nacionalista e católica, o ruralismo assente no poder do pater famílias, como a marca mental que caracterizou o fascismo português que, se após a segunda guerra mundial se transformou num anacronismo incapaz de se renovar e responder aos desafios do desenvolvimento capitalista que então se verificou, não deixou por isso de ter o mesmo culto do chefe que os congéneres e de pretender organizar todos os detalhes da vida dos portugueses enquanto foi vitoriosa. 

Agora fico cheio de curiosidade pelo primeiro volume. 



A noite, em Havana, tem o timbre de um país policiado. 


     Havana 
 28/03/2004 


CITAÇÃO BIBLIOGRÁFICA 

Matos, Helena, SALAZAR, Vol. 2, Círculo de Leitores, Lisboa, 2003

Sem comentários: