Um guerreiro da luz sabe o que quer. E não precisa explicar.

(Paulo Coelho)


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Cuecas para Turistas


por Francisco Gomes Amorim

Não vamos chover no molhado enaltecendo as praias, a caipirinha, as lindas mulatas (pior agora que as mulheres decidiram abrir guerra contra o assédio sexual, e só é pena que não o tenham começado há alguns milénios) que podem ser observadas, mas com cuidado..., apesar de elas, as mulheres, de forma geral, cada vez mais, usarem roupas que procuram, não cobrir, mas descobrir os pseudo secretos encantos... Enfim, o Brasil tem muito mais coisas interessantes.
Nas grutas da Serra da Capivara, no Piauí, lá no Norte, há centenas de pinturas rupestres e já se chegou à conclusão que permite afirmar vestígios humanos que ali estiveram desde há cerca de 49.000 anos!
Vale, muito a pena ir visitar as grutas deste lugar, onde se encontram as mais antigas pinturas humanas do planeta.
O turista pode, e deve ir visitar também as cidades histórias de Minas, Olinda, Alcântara e muito mais e ver o legado colonial, que faz os brasileiros fingirem que abominam esse tempo (colónias nunca mais!) mas de que muito se orgulham.
Recordações para levar do Brasil? Hoje todos têm telefones celulares que tiram centenas ou milhares de fotos, base das recordações que daqui podem levar, bem como umas garrafinhas de cachaça, da boa, que tem muita, e nessas cidades históricas, tem belíssimas pinturas, baratas, aquarelas ou óleo, estatuetas, etc.
Mas há um item que rivaliza, em muito, com a famosa Lâmpada de Aladim, das Mil e Uma noites ou Noites das Arábias.
Cueca! Isso mesmo, cueca.
O “engenho e a arte” de alguns setores extra sociedade (mas muito influentes) levaram à descoberta de novas utilidades para um pequeno item do vestuário, que o tornou muito procurado, mas ainda não divulgado aos turistas que dele se podem igualmente beneficiar.
Repito, a cueca.
Aqui se encontram cuecas especiais, por exemplo para transporte de dólares escondidos! Isso. O cliente só tem que informar o fornecedor (da cueca e não dos dólares) qual a quantidade que deseja transportar, bem juntinho aos seus órgãos, conhecidos também por “vergonhas”, e passear tranquilamente no meio da malandragem com o c... forrado de grana, que ninguém o vai perturbar, até porque o típico brasileiro costuma ser bem fornecido de glúteos, chamemos-lhe bunda, o que faz com que o portador dessa mirífica cueca passe desapercebido.
As mais caras carregam de 100 a 500.000 dólares, tamanho “G” a “GGP”. As “P” uns 5 a 10.000 e as “M” à volta de 25.000. Genial.
Para as maiores, em princípio, recomenda-se ao portador que arranje um atestado médico dizendo que tem “esteatopígia”  (do grego στεατοπυγία, de στεαρ, stear, "sebo", "gordura", e πυγος, pygos, "nádegas") é a hipertrofia das nádegas ocasionada pelo acúmulo natural de gordura na região, sobretudo em tribos da África meridional, como bosquímanos e hotentotes.


Mas não é modelo único. Há poucos dias um ilustre membro da Câmara dos deputedos, perdão deputados, num caso talvez universalmente exemplar, por indecente e má conduta, foi preso. Mas como a justiça por aqui é muito boazinha com esses deputedos e congéneres, o “sobredito” passa as noites na gaiola e de dia pode sair para estar presente na digna e impoluta assembleia dos sobreditos deputedos todos, a esforçarem-se, em prejuízo da sua saúde, tal o volume de trabalho, a conduzir os destinos da sua querida nação que eles tanto vigarizaram, roubaram e continuam a rir e dar risada!
Comovente, né?
Regra geral as refeições na prisão não são exatamente servidas por chefes franceses nem é remetida de Paris da “Tour d’Argent” para esses coitados que roubaram milhões, bilhões, aos cofres públicos.
Desse modo o “sobredito”, não apreciando a comida da seleta coletividade enjaulada, teve uma ideia que se imagina tenha até registrado patente: arranjou uma cueca, especial, onde ao fim do dia carregava para a penitenciária pacotes de biscoitos, saudáveis, e mais um bom pedaço de queijo provolone para complemento do rango geral.
Este modelo de cueca, à boa moda dos States, foi patenteada com o nome comercial“PFF”, que traduzido significará, do original Pants For Food, Cuecas para Alimentação.
O inventor está em negociação com a FAO, interessada na distribuição de alguns milhões por África.
Não foi divulgado se o queijo ia convenientemente embalado ou se chegou ao destino com o cheiro do lugar onde foi transportado, o que lhe proporcionaria um aroma extra.
Agora os desejados turistas visitantes, interessados nestes modelos especiais de transporte de itens especiais, devem estar fazendo a sacramental observação e simultânea pergunta:
Oh! How wonderful! (Que maravilha, se for inglês ou americano. O alemão: Oh! Wie wunderbar). Mas onde se encontram essas underwear - cuecas - à venda?
Por todo o Brasil tem representantes, distribuidores:
- Congresso Nacional – o “alto” e o “baixo”, aliás da baixaria
- Ministérios
- Governos de Estados
- Prefeituras
- Assembleias Legislativas Estaduais
- Assembleias Legislativas Municipais
- Grandes e médias empresas de construção
Em qualquer destes locais haverá sempre alguém que amavelmente indicará o melhor fornecedor... tanto da cueca como do recheio, generosamente cobrando um pequeno custo de intermediar o negócio. O trivial.

Com esta da cueca lembro de uma anedota que ouviu.... chiii... quando? Em meados do século passado, era eu um jovem, e pasmem, ó gentes, não esqueci.
Em Lisboa, um carro elétrico, um bonde, percorria o seu caminho cheio de gente que se compactava para sempre poder entrar mais um.
Chega o cobrador, o “trinca-bilhetes”, e começa o povo a pagar, na altura algo como cincostões ou cinquenta centavos (transferindo para €uros, seria, mais ou menos 1/400 ávos de 1 €uro).
Lá, no meio do povo, plataforma traseira, uma simpática, graciosa e oferecida mocinha, com um generoso decote (já nessa altura), começa a gritar:
- Fui roubada, fui roubada. Tiraram-me a carteira!
O cobrador, admirado, pergunta:
- Onde a senhora (era bem educado, o trinca-bilhetes) tinha a carteira?
Ela aponta para o generoso decote e diz:
- Aqui.
- E não sentiu quando a roubaram?
- Sentir, eu senti, mas pensei que não fosse por mal !!!!!!!

Se, nesse tempo, já existissem estas especiais cuecas brasiliensis, o dinheiro da mocinha estaria muito mais bem guardado. Mas será que se lho tentassem tirar, ela não iria sentir uma mão passeando nas suas partes íntimas, e também pensaria que não era por mal?
Não. O assaltante era muito delicado.
Honi soit...

Dez. 2017
em, www.fgamorim.blogspot.com

Sem comentários: