"Não haviamos marcado a hora, não haviamos marcado o lugar. E na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, os nossos tempos e os nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro."

(Rubem Alves)


sábado, 17 de fevereiro de 2018

Eu estive lá


Ontem, no Centro Cultural José Afonso, em Alhos Vedros, o poeta José Fanha fez-se acompanhar do músico Carlos Alberto Moniz, duas reconhecidas figuras da cultura portuguesa, e ambos proporcionaram um bom serão a quem se atreveu sair de casa numa noite fria e húmida, e ainda rivalizando com a III feira do Chocolate que por aqui decorre, porque Alhos Vedros teima em ser terra de muita e animada dinamização cultural e artística. O óbice foi o lançamento do livro de poemas "Marinheiro de Outras Luas", de José Fanha. Ora, um poeta cá da terra, do alto da sua experiente e rica história de vida, dedicou-lhe um poema que diz assim:

Eu estive lá

Cheguei: ouvi palavras sábias,
De uma figura conhecida,
Com a sua voz rouca e sentida,
Que muito sabe da vida.
Quantas palavras alegres,
Ou sentidas foram ditas,
Falaste sem saudade,
De outros tempos de outrora,
Mas falaste muito em liberdade.
Falaste do povo em sofrimento,
Da miséria em que o povo vivia,
Da fome e do medo que existia.
Das torturas infligidas,
À gente da nossa terra.
Também falaste da guerra.
Contaste histórias para crianças,
Falaste de lembranças.
Adorei ver essa tua paixão,
Quando falaste com o coração.
Não declamaste, mas brincaste com as palavras.
Senti que cativaste a criançada.
Falando de gente que viveu, e que foi amada,
Sentiste o passado, vives o presente.
Senti que estavas com a gente.
Com essa expressão tamanha,
Eu estive lá: estive com o Fanha.

José Ramos
16-02-18

Notinha do editor: Fica um vídeo musical de uma passagem pelos dois autores pela TVI e que dá um cheirinho do que ontem se passou no Centro Cultural José Afonso que se pode ver aqui: https://www.youtube.com/watch?v=W89gBO3wIz0


Sem comentários: