Um guerreiro da luz sabe o que quer. E não precisa explicar.

(Paulo Coelho)


quarta-feira, 25 de abril de 2018

Relembrando Augusto Sobral


Encenação de José Gil


É já na Sexta-Feira, 27 de Abril 2018, 15h, "Consultório" de Augusto Sobral, as actrizes estudam e preparam os últimos ensaios para os próximos dias, o cenário está pronto,É na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal,Sala de Drama.Como sempre Entrada Livre. Desta vez com uma simples marcação por email individuais, grupos ou turma: teatro.politecnico@ips.pt
23ª apresentação (2013-2018)
A não perder!
Teatro Absurdo -Teatro Rápido - Tragédia Optimista - Tragédia Terapêutica - Trágico-comédia - Actrizes e actor por ordem de entrada em cena Madalena Roque, Júlia Justino, Jose Gil e Anabela Pereira,Cartaz Ana Aguizo, fotografias Francisco Matias

AUGUSTO SOBRAL (1933-2017)


Dramaturgo e homem do teatro, morreu aos 83 anos.
Augusto Sobral, dramaturgo, tradutor e homem do teatro,
nasceu em 1933, foi estudante na Escola de Belas Artes de Lisboa e integrou o grupo de oposição MUD Juvenil.
Estreou-se como autor, em 1961, com duas peças em um ato - O Borrão, pelo Grupo Cénico da Faculdade de Direito, e Consultório, no TNDM II, com encenação de Artur Ramos, seguida, em 1963, de OsDegraus, peça em dois atos não aprovada pela censura.
No teatro, além de autor e tradutor, teve experiência como ator, encenador e cenógrafo. Foi membro fundador do Grupo de Teatro Proposta, em 1975, ao lado de Manuel Coelho, Fernando Gusmão, Luís Alberto e Victor Esteves. Entre os trabalhos deste grupo destaca-se Notícias do Poder (1976)
Em 1977 e 1978, escreve com José Carlos Ary dos Santos, para o Grupo 4, o texto-guião dos espetáculos musicados Os Macacões O Caso da mãozinha misteriosa. Seguiram-se peças, muitas delas publicadas, tais como: Quem matou Alfredo Mann (representada, em 1981, pelo TEAR); Memórias de uma mulher fatal (1981; Prémio da Crítica, ex-aequo para o melhor original português); Abel Abel (1984; Teatro do Bairro Alto); Inexistência (2002; Teatro Mirita Casimiro).
Traduziu, entre outras, as peças Três Irmãs de Tchekhov, Sonho de uma noite de verão de Shakespeare e A Escola de mulheres de Molière. Colaborou ainda com Fonseca e Costa nos guiões dos filmes Os Demónios de Alcácer-Quibir Viúva rica solteira não fica.Terminada
Em 2012, o encenador Rogério Vieira voltou a Memórias de uma mulher fatal, que encenou e interpretou num espetáculo apresentado no Teatro Nacional D. Maria II. Na folha de sala desse espetáculo, um pequeno texto de Augusto Sobral falava da sua aproximação ao teatro do absurdo."[https://www.dn.pt/artes/interior/morreu-augusto-sobral-5645911.html]

Sem comentários: