“ Que imenso descanso, não dar nome às coisas! Que infinito espanto, olhar para um mundo sem nome

Paulo Borges


terça-feira, 8 de janeiro de 2019

O DIÁRIO DA MATILDE - O MEU PRIMEIRO ANO DE ESCOLA

Hoje os alunos aprenderam uma nova palavra, zebra e, como é habitual nestas ocasiões, ocuparam a manhã com exercícios e fichas sobre o assunto. 



Mas é também o último dia de laboração da antiga “Sorefame”. 
A direcção da empresa canadiana que ficou com aquela unidade produtiva, decidiu fechar umas quantas fábricas na Europa, alegadamente por falta de encomendas que viabilizassem a rentabilidade de tais unidades industriais. 
Com isto se perderá um capital inestimável de tecnologia e sabedoria no âmbito da produção de material ferroviário. 
E fica a nu a falta de visão que sempre reinou nos nossos decisores políticos, incapazes de perceberem que a ferrovia era a aposta certa para encurtar distâncias num país como o nosso e que isso daria à indústria nacional as pernas que permitiriam competir nos mercados globais. 

Infelizmente não foi assim e o futuro de muitos trabalhadores está cheio de nuvens negras no horizonte. 



E amanhã o país estará suspenso no pequeno ecrã, pelo menos durante uma hora e meia. 
O Futebol Clube do Porto disputará a final da liga dos campeões. 



Ficou hoje definitivamente pronta a parte de alvenaria com os últimos retoques de pintura. 

Assinei um cheque de dois mil quinhentos oitenta e seis euros. 



O CDS-PP quer que os protestos na Assembleia da República sejam tratados como o fenómeno do hooliganismo nas bancadas dos estádios de futebol. 

Nada a dizer.
Aquele é o partido dos netos de funcionários e outros bafejados do Estado Novo. 


Estamos entregues aos bichos? 

Alhos Vedros
  25/05/2004

Sem comentários: