Um guerreiro da luz sabe o que quer. E não precisa explicar.

(Paulo Coelho)


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

O DIÁRIO DA MATILDE - O MEU PRIMEIRO ANO DE ESCOLA

Começaram as obras para a incorporação do sótão como o segundo piso do apartamento. 
Hoje foram colocadas as janelas. 
Não houve qualquer transtorno. 
Passei a manhã do último Sábado a transferir mobílias e armários, caixas de papelão e objectos vários para o hall que dá acesso aos diferentes sótãos desta ala do prédio. 



Os alunos repetiram exercícios com as palavras dadas. Escreveram frases que copiaram do quadro e fizeram fichas em que identificaram as sílabas em falta. Depois fizeram contas de somar e subtrair. 

Houve segundo intervalo para os mais desembaraçados e a Matoldas lá andava, boca de riso e olhos de alegria, correndo atrás das colegas. 



Aristide, afinal, rumou para a República Centro-Africana. Daí seguirá para o exílio na África do Sul. 
No Haiti, em Port-Aux-Prince, para já estamos na fase das pilhagens. 

Mas o Conselho de Segurança das Nações Unidas já votou, por unanimidade, a autorização para a deslocação de uma força de segurança para aquela terra cansada de tanta miséria. 



Diz quem sabe: “(…) qualquer verdadeiro escritor é aquele que ainda o não é.” (1) 
Inteligentíssimo, não é? 
Palavras para quê, é um sábio português e por ele ficamos a saber que Llosa é um Professor e Maugham um diletante burguês. 
Para um país de iliterados não está mau, o homem poderia muito bem dar erros de ortografia. 



E as noites frias continuam a marcar presença. 


 Alhos Vedros 
  01/03/2004 


NOTA 

(1) Prado Coelho, Eduardo do, O DESEJO DE RECONHECIMENTO, p. 5 


CITAÇÃO BIBLIOGRÁFICA 

Prado Coelho, Eduardo do, O DESEJO DO RECONHECIMENTO, In “Público”, nº. 5091, de 01/03/2004

Sem comentários: