“ Que imenso descanso, não dar nome às coisas! Que infinito espanto, olhar para um mundo sem nome

Paulo Borges


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Navegar é preciso, Viver não é preciso





Estava lá tudo e era a hora
luz do sol puríssima
o primeiro europeu, e eu, na américa

e parvos que levavam escravos
música e esperança,
belo horizonte

da terra se diz mar à vista
e muito bela uma Índia
que me conquista


(Fotografia de Kity Amaral
legenda de Luís Santos)




Sem comentários: