De que árvore florida chega? Não sei. Mas é seu perfume.

(Matsuo Basho)

terça-feira, 6 de maio de 2014

(Des)Encontros


Subtítulo: Alhos Vedros – Rosário
(ainda por publicar)

SINOPSE

     Alhos Vedros e o Rosário são vetustos povoados da borda-d’água, ambos acariciados pelas águas do Tejo que, desde tempos imemoriais, os apartou e os uniu.
     Características comuns das suas laboriosas gentes: a pesca, a salicultura, a construção naval, a agricultura e o respeitador acatamento dos conselhos dos anciãos.   
     O rio, fonte de trabalho e pão, revelou-se por vezes o cerne de encarniçados conflitos.
     Na década de Quarenta do século XX, Alhos Vedros assistiu à implantação da indústria corticeira, que modificou hábitos de trabalho e modos de vida, mas não tanto as mentalidades.
     A ação decorre nos anos de 1940 e 1941.
     A Europa central sofria o morticínio da Segunda Grande Guerra.
     Na cidade de Lisboa, pululavam os foragidos, que a barbárie compelira ao exílio.
     Em Portugal, o Natal de 1940 foi vivido sob o temor de uma possível invasão franquista, em aliança com os boches. Nas casas, as tiras coladas nas vidraças das janelas mais não eram que as ligaduras visíveis que cobriam as feridas interiores.
     Na Vila de Alhos Vedros e no Rosário, o ciclone de 15 de fevereiro de 1941 martirizou a natureza, corpos e almas.
     A um agreste inverno sobreveio uma ridente primavera, brotou um amor, desvendou-se um segredo jurado a um moribundo!
     Eis a síntese de uma narrativa ficcionada, alicerçada em factos e em pessoas reais, que a vida compeliu a (des)encontros!


Francisco José Noronha dos Santos

4 comentários:

MJC disse...


Oh Francisco, falta muito para "refeiçoarmos"?
Só aperitivos, aperitivos,...

A malta aguenta mas não há necessidade ...

Quando é que os "pratos" começam a sair?

Abraço.

Manuel João

Unknown disse...


Manuel João, Bom Dia!

Gostei do NEOLOGISMO!

Tem calma! Qualquer dia começamos a "refeiçoar"!

Outro abraço.

Francisco José

Gil disse...

Tu e os teus mistérios... vê lá, que tanta ansiedade pode fazer mal ao coração.

Abraço! :)

Unknown disse...


Pois é, Fernandinha.

Gostei dos 'mistérios'...
Será 'marketing'?

Outro abraço.