“ Que imenso descanso, não dar nome às coisas! Que infinito espanto, olhar para um mundo sem nome

Paulo Borges


quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Versículos


(Jovialidade)
A memória
uma capacidade física
que, como tudo no mundo
com o tempo se esvai.
A sua tradução em energia subtil
o que mais importa


(Essência)
A vida é um bem mais que precioso

Qualquer dia
esse tesouro guardado
abrir-se-á

A purificação é permanente,
e é bom que seja

Não há que mudar o que se é,
há que aprender, desaprendendo
(o transcendental salto)

Silêncio.


Luís Santos

Nota: Se clicar na ave ela o guiará... e boa viagem.


Sem comentários: