De que árvore florida chega? Não sei. Mas é seu perfume.

(Matsuo Basho)

segunda-feira, 24 de maio de 2010

O corpo



O manifesto da materialidade humana – o corpo – é a morada do Ser.

Movimentos regulares e irregulares, ritmos variados, um coração que bate no compasso dos sentimentos e emoções acompanhado de sorrisos ou de uma lágrima que teima em cair.

Percepções aguçadas pelos sentidos, expressões da própria sexualidade, vivenciada pelos cheiros gostosos dos alimentos, o beijo dos apaixonados, o perfume das flores e da grama verdinha, o olhar que se desvia ao luar.

O espaço e o tempo são movimentos do hoje, do ontem e do amanhã. Ontem, criança, hoje, jovem, e amanhã, não se sabe. A vida é movimento e o corpo baila sem cessar.

O caminhar, ir e vir, no cotidiano.

A respiração, contato, relações entre o mundo interno e externo.

O afeto que conduz ao encontro comigo mesmo e com o outro por meio do sorriso, do toque e do querer.

Busca do equilíbrio para viver, o corpo é isso, a manifestação do pensamento e dos sentimentos no comportamento.


Fernanda Leite Bião
Acadêmica de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.
E-mail: fernandabiao9@hotmail.com.

Sem comentários: