"Firme, forte, bem enraizada, a última azinheira e a sua dríade ou Espírito da Natureza, qual Deusa Mãe Terra, saúda-nos e pede-nos para defendermos mais as árvores, em especial as mais velhas, raras e sagradas..." (Pedro Teixeira da Mota)



domingo, 28 de junho de 2015



MIRADOURO 23/2015

(esta rubrica não respeita as normas do acordo ortográfico)


Foto de João Ramos


As formas que a Natureza toma, torna-nos aprendizes do muito que tem para ensinar.
Assim saibamos ser alunos disponíveis e com vontade de aprender.
É o tempo que a molda e nos molda.
Transitório, efémero, para não fartar.
Como Ela devemos ser flexíveis, tolerantes, para poder mudar.

Manuel João Croca

2 comentários:

A.Tapadinhas disse...

MJC: Tolerância existe em grande quantidade...

o que me amargura é não ser para as coisas certas.

Abraço,
António

MJC disse...

Ou isso, amigo António.

Abraço.

MJC