“ Que imenso descanso, não dar nome às coisas! Que infinito espanto, olhar para um mundo sem nome

Paulo Borges


sábado, 25 de julho de 2015

O TEMPO



Sem comentários: