“ Que imenso descanso, não dar nome às coisas! Que infinito espanto, olhar para um mundo sem nome

Paulo Borges


segunda-feira, 20 de julho de 2015

REAL... IRREAL... SURREAL ... (141)


À Rússia, aos Asnos e aos Outros, Chagall, 1912
Óleo sobre Tela, 156x122 cm


 Quem não é tocado pelos poemas pintados de Chagall, nunca foi criança.


António Tapadinhas

Sem comentários: