"Não defendo este partido, nem o outro; se ambos diferem à superfície e podem ararastar opiniões, aprofundemos nós um pouco mais e olhemos o substrato sobre que repousa a variedade; o mundo das formas levanta oposições que se desfazem à luz do entendimento (...)"
Agostinho da Silva, O Terceiro Caminho, Diário de Alcestes (1945), in Textos e Ensaios Filosóficos I, pp. 216-217.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Encontro de Escritores (4º testemunho)


Ilust.mo Senhor
J.R.C.C.C.,

Soube por um dos muitos que diariamente chegam a este páramo onde jornadeio há 126 anos, que um bisneto meu também de nome Francisco Gomes, não de Amorim e sim do Porto, se deu à extravagância de, ao jeito de Camões, fazer um concílio dos deuses da literatura em português.
Já não será um jovem, cuido eu, essa vergôntea; e digo cuido eu, porque com o tempo perdi a noção do tempo, preocupação que, aliás, seria uma desnecessária perda de tempo.
Cuido, no entanto, que esse meu bisneto não terá nada de peco; antes possuirá um espírito culto e dado a aventuras requisitando arrojo de alma e estrambótica fantasia. Não sei a quem ele possa sair assim ainda tão vivaço! A mim creio que não, pois fui o mais obscuro dos literatos e se me meti em altas cavalarias foi por força dos tufões da vida, logo à nascença.
Bem procurei, nas folhas noticiosas daqui, esta ou aquela local que me dessem conta de um tal Encontro de Escritores, em Alcobaça.
Não me espanto que a iniciativa não tivesse tido a publicação devida. E sabe V. Senhoria por quê?
A imprensa, nomeadamente a de Lisboa, é, raríssimas excepções, valhacouto de insignificantes, que exploram o ofício por todos os meios que lhe possam render dinheiro, influência ou qualquer outra coisa útil. Como todos os meios lhes servem, ninguém honesto os estima, não quer nada com eles, e afasta-se, deixando-lhes o campo livre.
A maioria compõe-se de asnos e maus; só eles são grandes e ilustres;  fazem-se mutuamente imortais; e os que vivem fora das suas cortes (?) podem ter talento, produzir bem e muito, que os jornais não se ocupam deles. A imprensa não serve, geralmente, senão para os pulhas se celebrarem e aplaudirem uns aos outros, explorando a patifaria e a decadência dos costumes, sem pudor e sem honra.

Seu ex corde,
Francisco Gomes de Amorim
(desencarnado em 1891)
CC – José Rodrigo C. da Costa Carvalho

Sem comentários: