O vôo é largo, é longa a rota
quando é amargo um beijo adoça
e um abraço reconforta
descemos sempre à nossa porta
(...)
Luís Represas, O Vôo da Garça


sexta-feira, 17 de março de 2017

RESILIÊNCIA DE CAIM


Um novo poema a meu amor sempre

o violoncelo ágil, claro e incisivo no teu corpo
o teu ritmo vegetal em finos raios de luz
um íntimo esboço nas ondas
para libertar os tons amarelos
nos trilhos das pernas doces

traço a traço as tuas costas
na delicadeza da música dos
dedos

desenho um cais de chegada

José Gil


Sem comentários: