"Cheguei finalmente à vila da minha infância (...) Paro diante da paisagem, e o que vejo sou eu."

- Álvaro de Campos


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

D'ARTE - CONVERSAS NA GALERIA (2ª. SÉRIE)

S/TÍTULO
 
 
 
CELESTE BEIRÃO
Acrílico sobre tela 240X200

4 comentários:

MJC disse...

Belo e instigante.

E em júbilo ficamos no maravilhamento que nos dá a observação (e vivenciação) de paisagens que, em nelas pousando o nosso olhar, vêem a sua beleza ratificada. É a nossa observação que torna real aquela beleza, que é como quem diz que, se dela não tomássemos conhecimento ela não existia.

Parabéns. Um beijo.

Croca

luis santos disse...

Que bonitos são os coloridos dos catraios do Tejo.

Abraço.

Celeste Beirão disse...


A necessidade que temos de chegar ao outro é também a de nos darmos um pouco.
Obrigada, Croca, por gostares
Beijo

Celeste Beirão disse...

Obrigada, Luís
Sim o Tejo…talvez.
Beijo