"Cheguei finalmente à vila da minha infância (...) Paro diante da paisagem, e o que vejo sou eu."

- Álvaro de Campos


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

REAL... IRREAL... SURREAL... (10)

A Festa, António Tapadinhas, 2009
Acrílico sobre Tela, 60x70cm



A FESTA

Hoje fui à festa e não havia festa.

Havia um palco e alguém cantava.

Mas não era música.

E havia umas pessoas. Umas dançavam, outras cantavam, outras viam. E outras não.

Eu era das que não.

Eu e uma mulher bêbada.



Lembrei-me do Francisco.

O Francisco era um menino que descobrira o prazer de ler e de escrever.

Sem que o ensinassem.

O Francisco foi para a escola e percebeu que já não estava a aprender a ler.

Só estava a aprender a fazer letras.



Eu hoje fui a uma festa.

Eu e uma mulher bêbada.



Havia um palco e alguém cantava.

Mas não era música.


Maria Teresa Bondoso

1 comentário:

MJC disse...


Há dias assim.

Já todos vivemos situações assim.

Convém é não desistir da festa nem deixar que a música se acabe.

Vai-se tentando...

Como habitualmente, gosto.

Um abraço.

Manuel João